segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Boletim 293.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
O bobo e o esperto.
Esta comparação vai dar panos pra mangas! Já passei pelas duas fases, o que não me faz entendido do assunto, mas passível de comentar. Não conheci bobo mau, e também descobri que nem todo esperto é bom. Talvez isto seja apenas na fase do ganho material. Então a gente vai ficando velho, perde o interesse do ganho, e vai ficando pra bobo. Será? 
Diz um velho ditado, que a esperteza termina engolindo o esperto. Conheço vários exemplos, assim como conheci a maioria dos bobos perderem tudo. O inteligente jamais será bobo, assim como o burro jamais será esperto. Será possível fica entre o bobo e o esperto? Vou matutar.
Não disse que o assunto é complicado? Ando ultimamente focando coisas complicadas. Vou me descomplicar. Afinal, quando bater na porta do São Pedro, quero chegar mais para bobo do que para esperto, pois ele deve ser muito, mas muito esperto, lidando com este mundão de gente todo o dia.  

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Boletim 292.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
O sacrifício.
Outro dia uma amiga especial me disse: "Não te sacrificas tanto". Passei a matutar, o que não tem nada a ver com matuto, lá do mato, certamente é coisa de gente esperta. Pois querendo ser esperto, concluí que aquilo me fazia bem - me sacrificar! Claro, fui para minha amiga "amansa burro" chamada Wikipédia, e lá encontrei assustado: "é a prática de oferecer aos deuses, na qualidade de alimento, a vida de animais, humanos, colheitas, como ato de propiciação ou culto". Cruzes! Ainda bem que lá atrás ela se referia a origem do termo, que é do latim da antiga Roma. Então vai lá, Nero lulista.
Ainda bem que a Wikipédia lá adiante registra: "o termo (sacrifício) é usado também metaforicamente para descrever atos de altruísmo, abnegação e renúncia em favor de outrem". Bem, fiquei mais compreensivo. Já aprendi que não posso viver só para mim, tenho que me ofertar, o que não deixa de ser um sacrifício, dentro do meu conceito de religião. Até aí, ofertar o meu sangue, é um exagero!

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Boletim 291.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.

Boletim nº 1 - datado de julho de 2006.
Neste boletim, que não foi publicado aqui, relacionei alguns dados, que me foram ofertados pelo amigo João Luiz Horta Barbosa, aos quais agora adiciono outras informações procedente do Núcleo de Pesquisas Históricas de Camaquã.

ORIGEM DA FAZENDA DA QUINTA.

            A Fazenda da Quinta, desmembrada da sesmaria Flor da Praia, que foi recebida por Faustina Maria Centeno, nascida em 01-07-1804, na Freguesia de Triunfo, filha do Sargento–Mor Boaventura José Centeno e de Dona Antônia Joaquina Gonçalves da Silva, irmã do Gal. Bento Gonçalves, era casada com o português João Luiz Pereira da Silva, conhecedor da arte da enxertia fez um enorme pomar, que terminou dando o nome à grande Fazenda da Quinta. Conhecemos três de seus filhos, ignoramos a existência de outros.
1) Antônia Luiza Centena Vianna  casada com José Soares Vianna – ainda não pesquisada.
2) Boaventura Luiz Pereira da Silva, nascido em 26-01-1829 em Camaquã, casado com Júlia César Centeno, e por falecimento desta, casou em 2ª núpcias com Isabel Eufrásia de Oliveira Guimarães, nascida em 30-05-1846 no Boqueirão onde casou em 08-12-1867. Isabel Eufrásia foi a terceira filha de Perpétua (filha do Gal. Bento Gonçalves e Caetana) e de Inácio Oliveira Guimarães. Dos seus quatro filhos destacamos o Cel. Boaventura Luiz Pereira da Silva Júnior, chefe do Estado Maior do Gal. Zeca Netto, e pai de Dona Isabel Silveira da Silva, viúva de Dorval Ribeiro, progenitores de Cláudio da Silva Ribeiro e Ieda Ribeiro Karan. Boaventura Júnior faleceu em Camaquã em 29-04-1887, com a idade de 58 anos.
3) Francisco Luiz Pereira da Silva, que aprendeu a arte da enxertia com seu pai, continuou a grande quinta. Casou com Ana Júlia da Silva, filha de Júlio Cesar Centeno, que era filho do Sargento-Mor, Boaventura José Centeno. Conhecemos dois filhos: 
                                   A) Adolfo Luiz Pereira da Silva casou com Anna América Centeno, e tiveram quatro filhos: Thereza Centeno Azambuja, casou com o primo Mário Silva Azambuja, pais de Luiz Fernando e Maria de Lourdes: Maria Centeno Azambuja casou com o primo Lauro Silva Azambuja, sem descendência; Sylvio Luiz Pereira da Silva casou com Morena Centeno Pereira, pais de Gladis Terezinha. Seu último filho foi Francisco Luiz Pereira da Silva, que casou com a irmã de Morena, Ivone Centeno Pereira, pais de César Augusto e Marco Antônio Luiz.
                                   B) Faustina Pereira da Silva Azambuja, casou com o Cel. Ney Xavier de Azambuja proprietário da Fazenda da Invernada. Deste casal nasceram treze filhos, sendo que apenas oito sobreviveram: Mário Silva Azambuja, casou com sua prima Thereza Centeno (já mencionado); Marieta Silva Azambuja, casou com José Olavo Fay, pais de Marila, que casou com Ruy Rodrigo Azambuja, Tito Livio Fay e José Olavo Fay Júnior; Lauro Silva Azambuja, casou com Maria Centeno (já mencionado); Mariá Silva Azambuja, casou com Tito Paranhos, pais de José Carlos Paranhos Barcellos;  Ney Xavier Azambuja, que foi prefeito em Camaquã, casou com Nilda Souza Azambuja, pais de Ney, que casou com Solange Paiva, e Neyta Azambuja, casada com Reni Marques; Marcolina Azambuja casou com Romeu Luiz Pereira da Silva, pais de Zélia Maria e Ruy Pereira da Silva; Cel. Dário Silva Azambuja casou com Maria de Lourdes Vilamil, pais de Vera Maria e Ney Artur, e finalmente, Adolfo Silva Azambuja, que casou com Zilda Souza, pais de Luiz Felipe, Maria da Graça e Luiz Alberto.
                        Agradeço ao amigo Dr. João Luiz Horta Barbosa, com sua primeira pesquisa sobre a família Pereira da Silva, que se encontrava perdida. Nossa história não terá fim, na continuação de tantos que virão, entretanto, poucos saberão contá-la. O Galpão do Galo Velho quer deixar gravado o registro daqueles que nos ofertaram o dia de hoje, com a doação de sua dignidade, amor à família e ao próximo. Foram os verdadeiros fazendeiros, que conviveram com seus empregados dividindo o suor da labuta, num mundo sem conforto, mas pleno de respeito e trabalho profícuo. Resta derramar sobre nós e àqueles que virão de nós, as bênçãos do Grande Criador, na esperança que saibam seguir a mesma trilha que eles traçaram, carregando o peso de seus esforços na busca de dias melhores para todos nós.  
                             Agradeceria também, àqueles parentes que estiverem lendo, que me enviassem suas descendências com seus nomes e o ano de nascimento.
      

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Boletim 290.

ABRINDO A PORTEIRA.
O silêncio.
O mais importante dos silêncios é aquele que habita em nosso interior. Ele não cessa, mesmo com todo o barulho lá fora. É ele que permite nossa mente trabalhar no discernimento dos fatos. Sem ele estaremos cometendo erros sobre erros. Alguns dirão que é a calma e a serenidade, e eu somo a sabedoria. É um exercício difícil este de mantermos nosso interior tranquilo. Só o conseguiremos se aprendermos a meditar! Meditar no silêncio de algum lugar, para aumentarmos o silêncio em nosso interior. Então estaremos nos aproximando da sabedoria. Meditem.

GALPÃO.
Galpão do Galo Velho.
Nada melhor do que assistir a vida passar. Lá se foram vinte e dois anos da significativa foto, ao comemorar meus 60 anos. Nada pior na vida (aprendi no Livro da Vida) do que a gente se queixar da vida. Os dois guris foram embora para cumprir com seus belos destinos, e os velhos ficaram sós, cada vez se agarrando mais um no outro. Foi bom os guris terem ido embora. 

HISTÓRIAS QUE ME CONTARAM.
As calhas.

Calhas de madeira. Tábuas de polegada, com 30 cm. de largura, 5,5 metros de comprimento, com guias de 15 cm de largura, pregadas em suas laterais, formando assim uma calha. Elas foram pregadas sobre estacas de madeira cravadas no leito do Arroio Jacaré, em duas fileiras, no nível, e exatamente da largura dos pneus de um automóvel. Automóvel do Senhor Adriano Scherer, o precursor, o empresário, o grande arrozeiro, e desbravador de Santa Rita do Sul, então chamado de Guaraxaim, lá por 1925. Ele com seu automóvel, que me parece ter sido um chevrolet, cruzava voando pelas calhas, e depois pelo Aterro da Terra Dura, que também construiu com suas turmas de corte do arroz, totalmente executado à pá. Como não havia ponte sobre o Jacaré, ele imaginou e construiu inteligentemente as tais calhas, que lamento não possuir uma foto das mesmas. Quem sabe alguém me dá esta alegria.

FECHANDO A PORTEIRA.
Já é muita falação. Desejo uma boa semana para vocês, com a Dilma pelas costa. Acabo de sair da frente dela, pois sua falação é pior do que a minha.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Boletim 289.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
A tolerância.
Certamente a tolerância é o primeiro passo para a boa convivência social. Nada irá funcionar sem ela, principalmente na mais importante das células sociais, a família. Afirmo sempre que é tudo de dentro para fora, e aquilo que vem de fora não me diz respeito, pois já devo ter construído meu Universo, principalmente quando se é velho. Nossas reações com quem amamos é diferente daqueles que nos são estranhos. Não toleramos seus erros, e justamente com eles que devemos ter o melhor dos trato, agimos com impaciências. Augusto Cury nos ensina o poder do SILÊNCIO e da TOLERÂNCIA, em seu livro "Código da Inteligência", que aconselho a lerem. Por minha vez afirmo que devemos "conversar" muito com nossas consciências, sempre com voz calma e tolerante, principalmente nos momentos de tensão. Se aprendermos a fazer isto estaremos conversando com Deus, que habita em nós.
Desejo à todos uma ótima semana, que começa com nossos corações lavados de alegria, ao mostrarmos ao Mundo que o Brasil, com todos os seus problemas, é um País feliz. 

sábado, 13 de agosto de 2016

Boletim 288.

ABRINDO A PORTEIRA.
Nada é fácil!
Não busquem pelo fácil, ele nada constrói. Vou dar um exemplo: "Alguém mora numa ilha paradisíaca. Arma um chapéu de sol à beira mar. Um serviçal leva a ele a cerveja gelada e as refeições necessárias. Passa o dia, passa o mês, ele gosta, e decide passar a vida toda ali. O que ele constrói? Nada, ou talvez alguma poesia, alguma música, mas nada mais."
Voltando. Você que dá murro o dia inteiro para sobreviver, basta não se queixar, entendendo que ao chegar em casa irá encontrar carinho e respeito. É exatamente vencendo obstáculos, que construiremos o belo em nosso interior. 

GALPÃO.

Querência dos Poetas Livres Vilmo Medeiros.
Um grupo de gaúchos, hoje somos 22, reúne-se quatro vezes ao ano, em rodízio nas suas querências, onde é proibido falar em dinheiro, mercâncias e mulheres, só nas próprias. Na tertúlia galponeira cada um diz ou canta o que sabe, toca, declama, ou apenas saúda os de casa. Na semana passada foi no Galpão do Galo Velho, e deixo apenas duas fotografias, dos muitos momentos agradáveis, que ali passamos. 
  
Em plena Tertúlia Galponeira, o som de um bom violeiro, no encanto de um garrafão de vinho, aquentando o frio brabo de um longo inverno.

Aqui o grande amigo, poeta, pajador, mas acima de tudo gaúcho com a marca do Rio Grande do Sul no peito, apaga a vela de 84 anos de bela existência, entre a Patroa e o Patrão.


Então no outro dia, no calor de um fogo forte, mateando no silêncio de mim mesmo, escrevi no Livro nº 7 dos Causos do Galpão. Registro que há 35 anos, neles gravo os causos acontecidos.
07/08/2016 - "Agora, já no dia 7, a festa acabou, mas o tempo não acaba, pois a vida irá continuar para sempre. Eu mesmo nem sei quando é "sempre". Certamente ele não será para sempre aqui nesta Terra, pois tem muito mais em outros lugares. Na vida basta sabermos amar, para sermos amados, pois além do amor não existe mais nada".



quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Boletim 287.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.

TEMPO É DINHEIRO?

            Primeiro devemos analisar: TEMPO é um substantivo abstrato. DINHEIRO, um substantivo concreto. O primeiro é etéreo e o segundo é matéria. Lógico, os materialistas querem impor que tempo é dinheiro. Ele não existia para nossos ancestrais, e só em 1509, quando o alemão Peter Henblein inventou o relógio, as coisas se complicaram, “limitando nossas  existências”. Certamente que para Deus o tempo não existe, ele é ETERNO.
            Assim, tempo não é dinheiro, pois a vida não é matéria. O valor do tempo terá a forma de como gasto na construção do bem ou do mal. Se recebemos o Livre Arbítrio, permitindo que façamos dele o que bem entendermos, também recebemos uma  imensa responsabilidade do que fazermos dele. A vida que portamos não nos pertence, visto que não a pedimos para ninguém, recebendo-a gratuitamente, sem assinaturas ou contratos, sem cláusulas estabelecidas. Ela foi o resultado do amor entre duas pessoas, transmitindo o dever da continuação da espécie humana, criação mais perfeita de Deus.
            Toda esta “charla” é para os novos, num pedido para que apliquem “bem o seu tempo”, estudando as belas lições deste Caderno da Vida, adquirindo a difícil virtude da meditação. O caminho é longo, e por tal, passa a ser belo, principalmente por repleto de novas esperanças de vida. Pensem, pois é pensando que vivemos e alcançamos as vitórias. 
            

domingo, 31 de julho de 2016

Boletim 286.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
Deixem acontecer!
Não façam acontecer! Sei. É difícil. Como deixar acontecer aquilo que nos desagrada? Aceitar os fatos como está acontecendo por vezes dá desespero, dor, revolta, ira, e por ai todas nossas fracas emoções. Quais as nossas fortes emoções? Resignação, tolerância, calma, e outras fortes. Então, tudo está em sabermos contar - um, dois, três, por vezes até dez, ou mais. Deixar o tempo passar, para depois agirmos, identificando e controlando a emoção que nos toma conta. Difícil. Verdadeiramente muito difícil. Já escrevi muitas vezes: "É tudo de dentro para fora". Tudo que vem de fora, não deve nos abalar, mas abala a maioria. Porque a maioria não se ama! Quem se ama é porque se conhece, já que há uma lei: "Não amamos aquilo que desconhecemos". Sabem porque devemos nos amar? Porque fomos feito à semelhança de Deus, e ele habita em nós. Quem não se ama é porque não crê em Deus. Meditem e aprendam a orar!

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Boletim 285.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
"Terra a gente não queima".
Assunto não falta nos dias de hoje, entretanto, andei olhando os primeiros boletins do Galo Velho, que não foram publicados, assim como aquele último da minha Tia Marieta. Então vai mais um.

Do Boletim 09.
Lá pelo ano de 1964 aconteceu um fato com Selvina, esposa do nosso Galo Velho, que desejo registrar para a posteridade.
            Selvina apareceu na Sant´Anna, e sabendo que eu tinha uma olaria, pediu alguns tijolos para calçar uma cacimba em sua chácara. Fomos até a olaria que ficava próximo, onde escolhemos os tijolos mais requeimados, que seriam ideais para o seu poço. Na saída disse ao Seu Carlos Krüger, meu oleiro, que mais tarde mandaria um reboque levantá-los, e foi quando nos retirávamos ao longo do galpão de palha taboa, que Selvina sentenciou: “Menino, terra a gente não queima”. Parei estarrecido. Já andava inconformando com a tal olaria, que só me trazia aborrecimentos. Então gritei ao Seu Carlos Krüger: “Seu Carlos fecha a olaria. Está todo mundo demitido”. Selvina se assustando me retrucou: “Menino, o que houve?”. Respondi: “Tu tens toda a razão, terra a gente não queima, ela é sagrada, a natureza nos deu para dela tirarmos o nosso sustento, e um dia ser nosso berço, para o descanso eterno.”
                        Sentencio – “Não se metam com olaria!”

Boletim 284.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
Marieta.
Vocês perdoem, mas vou falar de minha gente, por uma simples razão - o texto está muito bem escrito. Lá no boletim nº 10, que não transcrevi para o blog, ele consta límpido e alegre. Uma querida tia, irmã de meu Papai, cujos dados foram fornecidos por uma filha, que por professora, e de coração limpo e puro, assim escreveu:


 Marieta Azambuja Fay.
Segunda filha do Cel. Ney nasceu no último ano do século XIX, em 14 de abril de 1899, na fazenda da Invernada. Era chamada por quase todos os sobrinhos de Dinda. Alfabetizada na fazenda foi criada naquele bucolismo rural, até que adolescente, o pai a mandou para junto de sua irmã Amália, em Rio Grande, onde passou os melhores momentos de sua juventude. Passados alguns anos foi transferida para Porto Alegre, residindo com a outra tia, Sinhá, também irmã de seu pai, e casada com o professor Sampaio, do Colégio Militar. Ali ela passou muito trabalho, pois encontrou um verdadeiro “quartel”, lamentando a perda do contato com as primas de Rio Grande, com quem estabelecera forte amizade. A oportunidade junto da tia Sinhá foi a técnica de bordado, chamado “pintura de agulha”, no qual se especializou, deixando bons trabalhos. Terminou retornando à Invernada já mocinha, e foi no Hotel São João, na vila do Duro, que estando a almoçar com a família, um jovem e esbelto moço, chamado José Olavo Fay, almoçando ao lado perguntou ao garçom Bino, quem era aquela bela morena de olhos tão lindos. Recebeu a resposta que era filha do Cel. Ney Azambuja, ao que ele retrucou: “Vou casar com ela”. O garçom corrigiu: “Vai ser difícil seu moço, o velho é exigente, e não creio que concorde em dar a mão da filha, a um simples caixeiro-viajante”. Não se sabe que caminhos o teimoso Fay percorreu, para chegar no coração da bela morena, mas o certo é que em 9 de abril de 1921 casavam na Fazenda da Quinta. Contam que a festa tendo terminado muito tarde tiveram que pernoitar na mesma, mas em camas separadas. Imaginem uma cena desta nos dias de hoje!
                        Como todo o Azambuja, Marieta era extremamente devotada ao lar, acompanhando os filhos e netos, por quem foi muito amada e respeitada. Escreveu: “O dia mais feliz de minha vida, foi quando recebi minha primeira comunhão, já com 42 anos de idade”. Então, no dia 14 de abril de 1974, ao completar 75 anos de existência, na sua bela chácara da Glória, junto aos filhos e netos, seu coração parou de bater, encaminhando-se ao encontro de sua eterna ressurreição.
                                              Dados de sua filha Marila.

Concluo: Ela se chama Marila Azambuja de Azambuja, pois casou com meu Amigo e Companheiro de Rotary, Ruy Rodrigo Azambuja. Ela vive, e também extremamente devotada ao lar. Conta com a pouca idade de 93 anos, para sua bela estrutura física. Tanto que ano passado quebrou uma perna e anda lépida e faceira.

terça-feira, 12 de julho de 2016

Boletim 283.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
Eu errei!
Espero que tu saibas pronunciar esta frase. Ninguém é perfeito! Então, todos nós somos passíveis de erros. Nosso consciente é alimentado cada vez que reconhecemos nossos erros, da mesma forma que nos alimentamos quando vibramos com nossos acertos. Certo que existem os doentes, como os psicopatas, que em maior ou menor escala, jamais reconhecem seus erros, conforme acaba de me afirmar um amigo. Se afirmei que ninguém é perfeito, também posso afirmar que podemos buscar pela perfeição, mesmo sabendo que ela pertença só à Deus. Conheço várias pessoas que nunca reconhecem seus erros, as quais chamo de egoístas. Estamos cercados delas por todos os lados, cuidado! Estes egoístas cuidam apenas de si, jamais pensam em ofertar ao outro. Moral: é tudo de dentro para fora, mas de tal maneira, que ao construirmos algo de bom, pensemos em transmiti-lo ao outro, sem pensar em proveito próprio.


quarta-feira, 6 de julho de 2016

Boletim 282.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
Meu Rotary.
Fica difícil descrever meus sentimentos por esta bela organização. Isto simplesmente por medo que vocês pensem que eu queira fazer propaganda de Rotary. Ele não precisa de propaganda, primeiro, por ser uma das poucas entidades que tem assento na ONU. O que quero me referir é na sua simbologia. Imaginem uma associação possuir como lema: "Dar de si antes de pensar em si".  Entendo que é um chamamento para jogarmos fora nossas vaidades, já que nossos pensamentos serão apenas para os outros. Não esqueçam - somos aquilo que pensamos. Assim o rotariano pensa na obra social de sua comunidade, e a obra necessita de ação, que é impulsionada pelo Malho, ao vibrar o Sino.
Sino é a reunião entre o Céu e a Terra, e a sua sonoridade simboliza o poder do Criador. Com ele está o Malho, que é a "vontade na aplicação". 

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Boletim 281.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
Forrest Gump.
Acabo de assistir, mais uma vez, este maravilhoso filme, onde Tom Hanks sai da tela, contando uma bela história. Apenas uma "bela história", vivida por um ótimo contador, além de uma exagerada e empolgante história, que nos deixa presos a um imprevisível acontecer. Realmente muita morte. Morte de tantos soldados, morte da mãe, morte da mulher amada, o que me faz crer que morte fascina. Possivelmente tanto quanto o nascer. Dirão que um é alegria e o outro é tristeza. Os dois caminham juntos. Tudo caminha junto. O certo, com o errado, pois só assim poderemos compreender a vida, bastando meditar. O meditar que é tão fácil para uns, e tão difícil para outros. Alguns querem compreender o viver, mas outros têm medo. Moral da história, não tenhamos medo de morrer, basta ter feito, e bem feito, os deveres de casa...

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Boletim 280.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
Família +Amor = Perdão.
São temas inesgotáveis. Agora o Papa Francisco nos deixa esta bela mensagem:
FAMÍLIA, LUGAR DE PERDÃO...
Não existe família perfeita. Não temos pais perfeitos, não somos perfeitos, não nos casamos com uma pessoa perfeita nem temos filhos perfeitos. Temos queixas uns dos outros. Decepcionamos uns aos outros. Por isso, não há casamento saudável nem família saudável sem o exercício do perdão . O perdão é vital para nossa saúde emocional e sobrevivência espiritual. Sem perdão a família se torna uma arena de conflitos e um reduto de mágoas. Sem perdão a família adoece. O perdão é a assepsia da alma, a faxina da mente e a alforria do coração. Quem não perdoa não tem paz na alma nem comunhão com Deus. A mágoa é um veneno que intoxica e mata. Guardar mágoa no coração é um gesto autodestrutivo. É autofagia. Quem não perdoa adoece física, emocional e espiritualmente. É por isso que a família precisa ser lugar de vida e não de morte; território de cura e não de adoecimento; palco de perdão e não de culpa. O perdão traz alegria onde a mágoa produziu tristeza; cura, onde a mágoa causou doença.
                       Papa Francisco.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Boletim 279.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
Acabou!
Não creio. Depois de tudo que passei! Depois de tanto construir, e destruir. Depois de tanto amar, e apenas amar. Depois de tanto sonhar, e a realidade contrariar. Depois de tanto ganhar, e depois perder. Depois de tanto viver, e depois morrer!
Não creio que tudo acabou! De um momento para outro dizer que tudo acabou! Impossível que minha existência tenha sido em vão. Sei que muito deixarei na Terra, mas também sei que muito levarei. Só não posso afirmar para onde. Quem sabe para um paraíso ou um inferno, Alguém que julgue. Talvez para uma outra vida, terrena ou sideral. Na verdade o que penso é que tudo está recém começando, nada se acaba, tudo se transforma, como afirmam os físicos (lidando apenas com a matéria). A vida deverá ter um significado maior. Um objetivo maior, que foge do nosso conhecimento, mas que nossa consciência, ou autoconsciência, diz que ela não ACABOU! 

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Boletim 278.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
Ainda o Rio de Janeiro.
Certo dia, lá na década de 80, um conhecido meu chamado Amaro Viana (tomara que ele não leia isto, pois poderá revidar...) me perguntou: "Azambuja, é verdade que um empregado botou você na justiça?". Respondi afirmativamente, e ele retrucou: "Aqui no Rio não tem disso não. Não permitimos. Amanhã espero você na minha casa, quando apresentarei quem vai acabar com o problema. Leva o endereço e uma fotografia do malandro". Esse Amaro era grande fazendeiro na região, invernador de mil bois! Não sei como, mas o estado do Rio que é pequeno só tem coisas grandes, como grandes também são suas maldades. Com meu coração aos saltos, eu que não mato nem borboleta, corri no escritório do engenho e chamando em particular meu gerente, disse a ele: "João Batista, procura o fulano (até esqueci o nome) e faz um acerto com ele de qualquer maneira. Diz que se não acertar, o Amaro Viana vai matar ele, não eu". No outro dia, após o acerto, fui na casa do Amaro (só podia ser amargo mesmo) e disse que o empregado havia retirado a queixa. 
O que é mesmo que eu fui fazer lá no Rio? Trabalhar?

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Boletim 277.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
Ainda o Rio de Janeiro - 1984.
Impossível deixar de reconhecer as belezas do Rio de Janeiro. E não é só a sua capital, basta conhecer o seu interior, principalmente suas praias de mar, e região dos lagos. Até mesmo suas pedras são bonitas! O que eu fui fazer mesmo lá no Rio? Trabalhar? Lá é local de se aposentar, descansar, passear, se divertir, nunca de trabalhar. Depois aquele calor danado inverno e verão, não dá vontade de pegar na pá! Mas meu princípio é não me arrepender do que faço, principalmente dos meus erros, pois foi com eles que aprendi a vida. Imaginem o que eu aprendi durante minha estada no Rio, por cinco longos anos. 
Os cariocas costumavam nos dizer: "Vocês gaúchos são realmente diferentes". Eu então respondia, com a devida desculpa dos cariocas: "Claro que somos diferentes de vocês, pois lá no Sul a Natureza nos seleciona. Quem não trabalha morre de frio ou de doenças no inverno, e vocês aqui com uma bermuda, uma camisa física e um chinelo de dedos, sobrevivem".
Pois só vou falar da vida, não de negócios, onde sucumbi. 
É hábito de gaúcho apertar a mão de empregados. Lá no Rio o patrão não costuma sequer falar com o empregado, o capataz que o faça. Um certo dia, um empregado bem mais velho que eu (na época!) me disse: "O senhor é o primeiro patrão que me aperta a mão!". Eu respondi: "Meu amigo, o gaúcho além de educado é esperto, ele aperta a mão do empregado para ver se ele tem calos nas mãos". Foi um silêncio danado. 

Tirei a foto abaixo (claro que ao lado da minha Jane) em 1985 num dos meus raros descansos, lá no Rio de Janeiro. O que eu fui fazer lá?


segunda-feira, 30 de maio de 2016

Boletim 276.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.

Ainda o arroz - Rio de Janeiro - 1984 - IRGA.


Aqui a indústria com dois engenhos. O arroz transportado por chatas de 500 scs tracionadas por rebocadores era sugado pelos chupins. As automotrizes descarregavam direto nas chatas.
100.000 ha. de banhado no Vale do São João, município de Cabo Frio, drenados pelo DNOS, com o canal principal de 120 m. de largura (aqui eu havia publicado que o Canal de Suez teria 90 m de largura), e uma espinha de peixe com drenos laterais de 8 m. 

Uma balsa para transporte de máquinas, pois eram três áreas arrendadas, perfazendo 1.700 ha. de lavoura de arroz, que eram administradas por lanchas. Ao lado quatro gaúchos. Muitos daqui se foram, atraídos pela conversa do governador Brizola.

Conclusão:
Depois, com todo o "desastre" funcionando, com o agrônomo Dr. Magrinho se escabelando, chamamos o IRGA, na pessoa do Companheiro e Amigo Dr. Selenio Simões de Oliveira, que após examinar as lavouras, perguntou: "De onde vocês compram a semente?". A resposta: "De São Paulo." Ele disse: "Não é possível. Vocês devem plantar semente adaptada ao clima. Vou pesquisar." Resultado, pesquisou, mas não encontrou nada. 
Um conselho: Onde não houver pesquisas NÃO SE METAM!

Obs.- Há um comentário de um Anônimo, que permiti a publicação, onde diz que o Canal de Suez tem 180 metros de largura. A Wikipédia diz que ele atualmente tem 205. Peço desculpa pelo erro.

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Boletim 275.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.


Um outro tempo II.

Recebi do meu Amigo e Companheiro Cláudio da Silva Ribeiro, um artigo sobre a lavoura de arroz, provavelmente da Revista Arrozeira. No boletim anterior eu dizia que colhia 60 sacas de arroz por hectare, e era em 1960, entretanto, neste artigo eles já colhiam os mesmos 60 sacos em 1950. Largou mal o meu cavalo. Compara nossa produção com a do Pará, que atingia apenas "meia tonelada", ou seja, 10 scs. por ha. Gostaria de saber quando o IRGA foi fundado, pois o artigo de 1950 dá detalhes dos seus estatutos, com os propósitos a serem atingidos. Fala em 75 cruzeiros por saca, detalha as exportação assim como o problema dos engenhos, e de certa forma se queixa do IRGA. Por certo era mais um momento de crise no arroz, entre tantas que já vivemos. Vou providenciar para que os Companheiros de Cite recebam referido artigo. 

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Boletim 274.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
Um outro tempo.

Aqui, em 1975, eu colhia arroz vindo das medas, na quantidade de 60 (sessenta) sacas por hectare, e ganhava dinheiro! Tudo era produzido à mão, desde a lavração à boi, até a colheita à foice manual. Hoje nossa produção anda por 200 sacas por hectare. Graças à que? As novas tecnologias. Adoro novas tecnologias, mas os produtores não obtêm lucros com toda esta produtividade. Para onde vai o lucro? Certamente aos gringos, com a venda dos insumos, técnicas, máquinas, e tudo mais que aumenta nossa produção e diminui nossos lucros. Vocês não precisam dizer, eu sei, são palavras de um agricultor quebrado, entretanto, quantos como eu, têm saudade do tempo que se levantava quebrando geada nas madrugadas para cangar bois, e se derramava suor semeando arroz à lanço...

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Boletim 273.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
David Coimbra.
Esta última página da Zero Hora é, foi, e sempre será espaço dos melhores articulistas do jornal. David Coimbra fala de política sem ser político, sem paixão partidária, apenas comentando e comparando fatos políticos. Uma verdadeira lição de bom senso em cada artigo. Ele escreve ainda sobre as leis da natureza, a família, a segurança, a saúde, enfim, ele é um escritor versátil. Mas não fosse um homem culto e pesquisador, nada teria tanto valor. Vejam o seu artigo do dia onze de maio, quando ele prova que a presidente Dilma cometeu crime, relatando o fato de quando ela "mandou" a firma Andrade Gutierrez concluir a obra do estádio Beira Rio, do meu Internacional. Ela assim se manifestou (e está gravado): "É o meu clube, é o meu Estado. Não há hipótese nenhuma de a empresa sair que nem cachorro e deixar todo mundo de pincel na mão", e David conclui: Contratos firmados entre empreiteiras e governos têm de ser feitos através de concorrência pública, é preciso haver licitação, controle externos. É escolha técnica. Um governante NÃO PODE interferir no processo de escolha de uma empresa que fará qualquer obra para o Estado. É CONTRA A LEI. Quando o governante faz isso ele COMETE CRIME. Mas Dilma mandava tanto na AG, que interferiu até em um negócio privado entre a empresa e o clube de futebol. Ficou clara a chantagem. 
Todos nós sabemos que o presidente da AG está preso em casa, com um rastreador eletrônico preso em seu tornozelo, admitindo ter pago propina ao governo, pedindo desculpas e aceitando uma multa de R$ 1 bilhão! Concluiu David: O governo Dilma cometeu crime, sim. A justiça está sendo feita hoje e amanhã, em Brasília. Impeachment nela.

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Boletim 272.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
Ainda o amor.
Já disse que é um tema inesgotável, e o Galo Velho já falou dele muitas e muitas vezes. Agora é o Papa Francisco que toca no assunto, e tudo que vier desse Papa, único argentino que devemos curvar o "corincho", daremos atenção. Ele assim se manifesta: "O que entendemos por "amor"? Só um sentimento, uma condição psicofísica? Certamente, se é assim, não se pode construir nada sólido. Mas o amor é uma relação, então é uma realidade que cresce , e também podemos dizer por exemplo, que se constrói como uma casa. E a casa é construída em companhia do outro, não sozinhos! Não queiram construí-la sobre a areia dos sentimentos, que vão e vêm, mas sim sobre a rocha do amor verdadeiro,  o amor que vem de Deus". E acrescenta.
"Três palavras mágicas para fazer o casamento durar:
"Viver juntos é uma arte, um caminho paciente, bonito e fascinante, que tem regras que se podem resumir exatamente nestas três palavras: 'posso', 'obrigado' e 'desculpe'".
Obs.- Verdadeiramente, quem agora em novembro irá completar 59 anos de felicidade conjugal, medita muito nestas três palavras. Façam o mesmo, e felicidades ao casal. 

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Boletim 271.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
Nossas Escolhas.
A todo momento temos uma escolha pela frente. Uma calçada a ser trilhada, o elevador, o táxi, o sorvete, e por aí à fora. Desde que nascemos e até na hora de ir embora. Os nossos cinco sentidos são os maiores responsáveis por nossas escolhas, entretanto, muitas vezes, uma tal de intuição se intromete no caminho, e lá vamos nós navegando ao sabor de nossos destinos. A intuição não tem nada a ver com nossas mentes. Um não se intromete no caminho do outro, e é nesta hora que me paro a sismar. Será que não podemos treinar nossas mentes fazendo que desenvolvam nossos "discernimentos", evitando tropeços tão comuns em nossas escolhas? Intuição, mente e um destino! Quanto mais sismo, mais me dou conta que não fazemos as coisas acontecerem, e sinto vontade de crer nos turcos que dizem: "Tudo está escrito".  

terça-feira, 12 de abril de 2016

Boletim 270.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
Emoções.
Não foi só o rei Roberto Carlos que focou o assunto. O psiquiatra e psicoterapeuta Augusto Cury, autor de 25 milhões de livros vendidos só no Brasil, escreveu "Gestão da emoção", que passo a comentar.
"Pode-se dirigir uma firma com milhares de empregados e, ao mesmo tempo ser incapaz de dirigir a mais complexa das empresas, a única que não pode falir: a mente humana. Pode-se ser multimilionário, e saber ganhar dinheiro como poucos, e ainda assim, mendigar o pão da alegria e da tranquilidade. Há mendigos que moram em palácios".
Conheço milionários de alegria e tranquilidade que moram em ranchos. O texto grifado acima é a introdução do livro, que aconselho meus amigos a lerem. Diz ainda na introdução do livro: "Técnicas de 'coaching emocional' para gerenciar a ansiedade, melhorar o desempenho pessoal e profissional e conquistar uma mente livre e criativa".
Para concluir e não me alongar, ele ensina cinco práticas, que transcrevo abaixo, evitando aposentarmos nossas mentes, o que compromete a tarefa de acessar nossa memória e construir cadeias de pensamento, fugindo mesmo do Alzheimer:
1- Provoque a memória através dos jogos, como xadrez, damas, cartas;
2- Estimule a socialização através de atividades físicas;
3- Desenvolva o altruísmo, participando de atividades filantrópicas como um agente atuante, e não como um investidor passivo;
4- Refine a arte de contemplar o belo;
5- Realize atividades lúdicas e prazerosas que fomentam o sentido da vida e a motivação de viver, como reuniões, debates, escritas, pintura.
O pouco que aprendi na vida é que viver é bom, muito bom, mas com saúde física, mental e espiritual. Vamos fugir um pouco da materialidade.

terça-feira, 5 de abril de 2016

Boletim 269.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
(De um boletim de 2011) 
Segurando o amor.
É preciso que vocês prestem atenção no que vou escrever.
-Ele a ama, ou ela o ama. Amor profundo, mas sem a entrega do imenso amor que carregam dentro do peito. Pode? Eu vi, pois presto atenção na vida. Coisas de velho. Não é só ele, ou ela. É um monte de viventes, e espero que tu não te encontres entre eles. Muitos julgam "preservar" dentro de si aquilo que sabem ser "ouro alquímico", e que julgam sua propriedade. A diferença é que o amor não tem dono. Não nos pertence. Vejam que estou falando do verdadeiro amor, daquele sem egoísmo, pois por direito pertence a Ele, que o "construiu" dentro de nós. Quem escreve viveu no tempo do "puro machismo", quando a arrogância e o egoísmo predominava nas relações humanas. Sejam humildes, pois a entrega de nossos sentimentos não nos fará falta. Digam, que falta me fará entregar o "meu querer" a alguém, e este alguém não o querer? Quanto mais se dá, mais se recebe. O difícil é se dar, sem pedir nada em troca. Uma lição de Cristo, que a humanidade está esquecendo.


segunda-feira, 28 de março de 2016

Boletim 268.

ABRINDO A PORTEIRA.
O mosquito e a política.
Não dá para entender como o mosquito lá do Egito custa a morrer, assim como o PT custa a acabar de vez. Uma grande parcela da população não aguenta mais falar em mosquito e Lula. Na realidade queremos a normalidade das coisas, mas o que está ocorrendo é demais. Nossa tranquilidade está contaminada. Um susto sobre outro. Agora tem nova doença transmitida por mosquito, como tem novidades sobre a política. Não acaba nunca. É como se houvesse terrorista detonando bombas entre nós. Mas considerando que o 30 de março está chegando, também chego a ter saudades de 1964. Espero que vocês, assim como eu, nada devendo, nada temamos.

GALPÃO.
13 de maio de 1988.
O Galpão do Galo Velho comemorava o Centenário da Escravatura no Brasil. Abaixo extraído da Wikipédia:
Lei Áurea, oficialmente Lei Imperial n.º 3.353, sancionada em 13 de maio de 1888, foi o diploma legal que extinguiu a escravidão no Brasil. Foi precedida pela lei n.º 2.040 (Lei do Ventre Livre, de 28 de setembro de 1871, que libertou todas as crianças nascidas de pais escravos, e pela lei n.º 3.270 (Lei Saraiva-Cotegipe), de 28 de setembro de 1885, que regulava "a extinção gradual do elemento servil". 
Mais abaixo o patrão se abraça em dois negros funcionários da Agropecuária Sant`Anna, simbolicamente acorrentados no mesmo sentimento de Liberdade, Igualdade e Fraternidade.


terça-feira, 22 de março de 2016

Boletim 267.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
A insatisfação.
Um tema difícil. Eu iria dizer brabo mesmo de ser abordado, mas é necessário meditar nele. Outro dia ouvi um amigo dizer: Ah, se arrependimento matasse! Foi aí que meditei. Jamais devemos nos arrepender daquilo que fazemos, por maior que seja o nosso erro. Dá para entender? Creio que haverá arrependimento quando prejudicamos à terceiros. Isso sim. Aqui estou me referindo aos erros que nos arranham. Chegamos naquilo que se chama amor próprio, que pela definição abaixo, extraída do Google, diz que não devemos guardar raivas. Raiva de si próprio é terrível, um crime contra o Pai Celeste, que nos construiu à sua semelhança.
"Quem se ama de verdade, procura possuir controle emocional, procura compreender as pessoas, estar sempre, ou a maior parte do tempo, de bem com a vida e esquecer a opinião alheia, não guarda raiva, rancor, está sempre disposto a perdoar e ter coragem, confiança e segurança para recomeçar".

domingo, 13 de março de 2016

Boletim 266.

ABRINDO A PORTEIRA.
O perdão.
Certamente já me referi ao tema lá atrás. Tenho de fazer um arquivo para não reler tudo que escrevi, buscando uma "não repetição". 
O verdadeiro perdão é medido pela velocidade com que se perdoa. Cristo mostrou o que seja perdão instantâneo, ao ofertar o outro lado da face, ao receber o primeiro tapa. Não sei quanto tempo tu levas à perdoar, mas eu afirmo que comigo não passa de três dias, por mais grave que tenha sido a ofensa. Aliás, pouco tenho sido ofendido nos últimos tempos, e creio que isso se deve ao fato de também não agredir ninguém. 
Meu avô, Cel. Ney Xavier Azambuja, revolucionário em 1893, época de muitos ódios, assim ensinava: "Quando me ofendem, costumo escrever uma carta àquele, onde digo os maiores impropérios. Após a escrita guardo-a na gaveta da mesa de cabeceira. No dia seguinte rasgo a carta e jogo fora.


HISTÓRIA QUE A INTERNET ME CONTOU.
A Televisão.
Como rotariano assisti muitas palestras sobre o tema TV, e uma delas, que até hoje tenho gravado na memória, foi muito bem proferida por meu primo, Dr. Ruy Rodrigo Azambuja, no Rotary Club de Porto Alegre, onde ele era sócio. Assim a mensagem abaixo vai ajudar.


Um padre colocou um vídeo nos telões da Igreja, a globeleza dançando seminua  toda pintada e, o vídeo durou uns 5 segundos.
O povo da Igreja ficou todo escandalizado, então o padre perguntou:
- “Alguém se incomodou com esse vídeo aqui na casa de Deus?”.
É claro que o povo se incomodou, mas não falaram nada, então ele disse:

- “Aqui na casa de Deus não é lugar de passar essas coisas, mas na casa de vocês isso passa o dia todo, nas novelas ensinam seus filhos e filhas como trair seus maridos e esposas, a mentir, a um homem a beijar outro homem na boca e vocês não fazem nada! Será que a casa de vocês não é também a casa de DEUS? Hipócritas, são os que se escandalizam quando falam dos erros que ocorrem na casa dos outros, na Igreja do outro, na vida do outro, na religião do outro... E se esquece dos erros que comete em sua própria  casa.”.

segunda-feira, 7 de março de 2016

Boletim 265.

ABRINDO A PORTEIRA.
O Eu.
Outro dia um amigo reclamou por eu usar  a primeira pessoa do singular. Não posso falar de vocês, a quem devo respeito, portanto, só resta dizer de mim. Se passar a falar dos outros me tornarei um "linguarudo", igual aquele programa da TV onde o apresentador diz: "OK. OK. OK. Lá vem bomba!". Viver é percorrer o espaço que Deus me deu para aprender a lição, basta prestar atenção neste grande e lindo livro da vida. Sinto o quanto ela é bela, e ao sentir também os seus problemas. descobri que é com eles que consigo crescer. Ninguém sucumbe à problema, só aquele que se acovarda e foge dele. Assim vou falando de mim, e contando aquilo que minha consciência fala. Rezo para que minha voz seja sempre mansa.


GALPÃO.
Respeito.
O primeiro dos 7 Mandamentos do Galpão do Galo Velho é o RESPEITO, e lá está escrito: "Para manter a amizade e alcançar a PAZ". Fui falar em respeito à vocês lá em cima, agora me abraço no tema, buscando ensinamentos da vida - Respeito é o primeiro passo para se alcançar uma boa amizade. É necessário respeitar os defeitos do outro, apreciando suas virtudes. 
Coloco abaixo a placa de PAZ e RESPEITO que enfeita uma parede do Galpão do Galo Velho, numa homenagem ao meu velho Pai, Mário Silva Azambuja, o fundador da Fazenda Sant`Anna.


Sabem, aquele lenço colorado, enfeitado com tope maragato, tenho até hoje entre meus guardados, e quando me pilcho (coisa rara) o ostento orgulhoso. Pena que perdemos o distintivo do PL (Partido Libertador) que sempre usava sobre o tope. Guardo sua lembrança sem lágrimas, mas com minha consciência doída por não lhe ter dado a minha presença, quando mais ele necessitava. Dei-lhe tudo o mais, achando que era tudo, mas hoje sei que não era nada.








quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Boletim 264.

ABRINDO A PORTEIRA.
A música.
Ela deve fazer parte do nosso dia a dia, seja até mesmo as barulhentas. Claro, minha geração é mais lenta, e por tal não esquenta. Creio que ela viveu tão pouco tempo, por não ter acesso à música do rádio, já que ao nascermos somente tínhamos as galenas, que nem vou gastar letras descrevendo-as, os curiosos que cliquem: https://pt.wikipedia.org/wiki/Galena . Nossa música era o cantar dos pássaros, o escorrer das águas, e a melodia do vento. Hoje muita coisa se acabou, mas há evolução, pois estamos nos deslocando e assistindo a vida, coisa que minha geração não conseguiu. Há evolução e desafio os céticos provarem o contrário. A vida continua bela, florida e cantante, basta cuidar da saúde, buscar segurança e absorver cultura. Vivamos! Dando o devido valor ao dinheiro. 

GALPÃO.
Um encontro.
Outro dia me encontrei com um amigo e irmão lá de  São Lourenço do Sul, terra de encanto e poesia. Ele se chama Pandiá Cardoso, a quem o Grande Criador ofertou o dom de uma bela voz, grave e melodiosa. Sou ligado em vozes graves, no destaque à Andéa Bocelli. 
Com a devida autorização do Pandiá publico abaixo a música que ele canta, a letra de Léo Ribeiro e musicada por Adão Quevedo da Silva. O disco será lançado no dia 30 de abril próximo, em São Lourenço do Sul.



Apreciem a bela letra da poesia de Léo Ribeiro:


Sorvo do estribo o último mate deste domingo
que foi bem lindo, de prosas brandas e sem alarde.
O sol se pondo, as curucacas vindo pras casas,
tropéis de asas sonorizando um fim de tarde.

O teu silêncio é quase um grito pra que eu não vá
e vem de lá da estrada longa rojões de ventos.
Tudo se aninha pra que eu apeie e solte o pingo.
porque um domingo pra tanto amor é pouco tempo.

Mate do estribo (mate do adeus) é o mais amargo,
em tragos largos eu vou sorvendo bem aos pouquinhos.
Tal qual a seiva que agora mata a minha sede
teus olhos verdes eu vou levar pelos caminhos.

Por estes dias só vou beber mates de espera,
pelas tigüeras, pelos varzedos, pelos galpões,
e um mate doce com a vó bugra, só por lembrança,
da minha infância que foi embora com as ilusões.

E quando a noite se vier pro rancho com seu negrume
tendo por lume um fogo grande que sobe a esmo
na solitude que me arrincona onde nasci
pensando em ti vou chimarrear comigo mesmo.

Mates do estribo... já sorvi muitos por toda a vida
as despedidas andam comigo desde menino
porém agora que encontrei  a flor-do-campo
os seus encantos hão de mudar o meu destino.

Que passe logo esta semana cá nestes fundos
onde meu mundo não vai além deste horizonte
porque o domingo é o dia santo que me acalma
bebendo a água mais clara e pura de tua fonte.







quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Boletim 263.

ABRINDO A PORTEIRA.
Para onde vamos?
Vou encerrar as interrogativa, voltando àquela que mais preocupou meus leitores - Para onde vamos?
Escrevi numa outra: "No final daquele helicoidal colorido (DNA) encontrarão Deus". Bem, vou dizer para onde eu irei. Vou para onde forem meus genes! Cuidem para não interromperem a continuidade de vocês. Estarei sempre presente naqueles que vierem depois de mim, conduzindo meu DNA, pois nele está presente Deus, visto que Ele me fez à Sua semelhança. Eu estarei nEle, como Ele estará em mim. Não serei eterno, mas sou fruto do amor, que é eterno.


GALPÃO.
Iº Redomão do Camaquã.
Só quem é vovô entenderá e perdoará minha vaidade. Aqui no Sindicado Rural de Camaquã, uma comissão de filhos de associados da A.C.C.C. - Associação de Criadores de Cavalos Crioulos de Camaquã organizou o Iº Redomão do Camaquã, quando se apresentaram mais de 30 concorrentes, entre eles cabanhas de ponta de vários município da região. Meu neto, Ramiro Chagas Azambuja, filho do meu Castiano campeiro, Luis Mário Azambuja e Majô Chagas Azambuja, com 38º de febre, pelo estouro dos dois sisos, concorreu na grande prova e se classificou em 5º lugar. Para quem não sabe é necessário dizer que nesta prova do Redomão, o potro deve ser domado em 21 dias pelo concorrente, sendo que o animal deve vir do campo indomado. Abaixo o Ramiro esbarra o Imperador da Sant`Anna.




HISTÓRIAS QUE ME CONTARAM.
Os gambás.
Pois a história dos gambás lá de Santa Catarina me fez lembrar de outra aqui do velho Guaraxaim. Meus tios, Lauro Azambuja e Silvio Luiz percorriam as granjas de arroz em fiscalização, num tempo em que os gambás perderam as botas. Chegaram então na bolanta do Sadi Scherer, grande amigo de nossas famílias, quando o Sadi ofertou um almoço com carne de uma lebre recém caçada. Meu tio Silvio não quis comer, e após o almoço o Sadi, depois de ouvir elogios, virou-se para o tio Lauro e disse: sabes Lauro a carne que comeste era de um gambá. Meu tio Silvio, que era um homem violento, disso ao Sadi: Se eu tivesse comido desta porcaria estarias a esta hora dormindo com um soco na tua cara. 

FECHANDO A PORTEIRA.
Os netos são realmente filhos com açúcar. Eles não erram nunca, e tudo aquilo que corrigimos nos filhos, deixamos de corrigir nos netos. Olhamos os netos como uma continuidade, buscando neles uma sombra de nós mesmos, um pedaço nosso que continuará neles. Imaginem quem esteja alimentando o sonho de um bisneto!

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Boletim 262.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
Quem somos?
Depois da interrogação de "onde viemos" resta a "quem somos?". Se aqui chegamos, depois de tantos milhões de anos, estaremos transformados em algo melhor. Na última coluna de David Coimbra em Zero Hora (11/02), que aconselho não perderem, ele afirma que um povo depois de construir sua civilização é dominado por outro povo, bárbaro e inculto, já que o civilizado descuida de sua segurança. Cita ainda o que ocorreu através dos séculos, com os países cultos e desenvolvidos, dizendo que o povo civilizado é feminino, pois aos homens cabe matar e morrer. Pinço um frase sua em referência à nossa atualidade: "Nunca, na história do mundo, a civilização chegou a tal ponto de humanização, de cultura, e de respeito às diferenças".  
Então se somos cultos e respeitamos às diferenças, largo da interrogação e vou à afirmativa: nosso povo brasileiro chegou a tal ponto de humanização, cultura e respeito às diferenças, que pouco está ligando para a corrupção que nos corrói, para a falta de respeito aos professores, para o desastre da saúde pública, e para a falta de segurança pública - porque o brasileiro aprendendo a respeitar as desigualdades sociais, elegeu até mesmo um analfabeto como presidente da Pátria Amada, e uma pupila para continuar o descalabro!
Desculpem. Não uso da política em meus escritos, por ojeriza à mesma. Amenizo com "A Oração", com Andrea Bocelli e Heather Headley, orando para dar sabedoria ao povo brasileiro.



          

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Boletim 261.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
De onde viemos?
Sei, as perguntas estão ficando cada vez mais difíceis, mas em compensação a vida fica cada vez mais fácil. Tenho um filho que se preocupa com a multiplicação das almas pelo Mundo, imaginando que não poderemos vir de um renascer. Verdadeiramente o tema é tão difícil, como aquele outro, para onde vamos? O destino não nos pertence, e sim a um Arquiteto do Universo, a quem certamente prestaremos explicações de nossos atos. Mas se a felicidade é a busca final, para que complicar com tanta curiosidade. Será que não podemos confiar em nossos próprios atos, sabendo que estamos trilhando o caminho certo? A última é que querem modificar nossos DNA, na busca de curar doenças. Eu afirmo, que no final daquele helicoidal todo colorido, encontrarão Deus.
Se me perguntarem de onde vim, responderei que vim de um útero limpo e puro de uma mulher, e de um espermatozoide sadio de um homem, construído com amor, que é o princípio, e deverá ser o fim de nossas existências, pois Deus é a origem do amor.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Boletim 260.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
Para onde vamos?
Outro dia fui falar no que viemos fazer aqui, e agora faço outra pergunta muito mais difícil. Para onde vamos? Qual o nosso destino? Uns estão pensando no céu e outros no inferno, enquanto outros tantos pensam em retornar em outra vida, aqui na Terra ou quem sabe em outro espaço. Temos de concordar que tudo é muito amplo, um verdadeiro Infinito. Se me perguntarem darei uma resposta vaga, como vago é o Infinito - "Não estou preocupado com o que me aguarda, e até mesmo penso pouco no caso. Procuro fazer a minha parte da melhor maneira possível, e se puder merecer alguma dádiva, gostaria de me encontrar com quem tanto amei, e tanto me amaram. Faço disso uma forte oração, sabendo que o amor não se acaba". 

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Boletim 259.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
O que viemos fazer aqui?
Creio que existe três tipos de pessoas. Aquelas que pensam só em si. Aquelas que pensam nos outros, e aquelas que não pensam. Já que um de nossos objetivos é o de ser feliz, a pergunta que devemos fazer é qual dessas pessoas será a mais feliz. Afirmo que qualquer dos três tipos terá a mesma possibilidade de felicidade. 
Então, o que as distingue? Meditei muito, e peço que vocês façam o mesmo. Minha conclusão é que elas serão distinguidas pelas obras que irão construir. Aquelas que não pensam, nada construirão. Aquelas que só pensam em si, certamente irão construir uma bela obra material, que infelizmente não será perene. Então, aquelas que pensam nos outros irão construir o AMOR! O amor será perene? Certamente que sim. Jesus o pregou há 2.016 anos atrás, e ele continua intacto. Os homens é que não  o entenderam. 



terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Boletim 258.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
A Internet.
Hoje ela é uma ferramenta indispensável na nossa atividade diária. Com toda minha quilometragem uso-a diariamente, entretanto, não sou viciado nela. Assusto-me com as pessoas caminhando e assistindo-a em seus celulares, muitas vezes sem se importar com as demais pessoas, e até mesmo com o trânsito, principalmente quando estão dirigindo. Então, permitam a vaidade de um avô. Recebi de um amigo do peito, que hoje é virtual, algumas piadas sobre a internet, e me debrucei na sabedoria do menino abaixo.


segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Boletim 257.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
Mário Quintana.
Recebi do meu Irmão, Parceiro e Amigo Ignácio Mahfuz, e não me permito esquecer de repassar aos demais. Todos sabem da sabedoria do Quintana, mas poucos conhecem todas suas sabedorias. Apreciem:




quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Boletim 256.

ABRINDO E FECHANDO A PORTEIRA.
Um amigo.
Eles tornam-se cada vez mais raros. Sabemos que é a falta de convivência, ou a falta de tempo, o que tanto tem atrapalhado os dias de hoje. Os amigos tornam-se virtuais, encontrados nas letras de e-mails, por vezes tão abreviadas, que nem dá para entender. Dirão que é o modernismo, pois busco me misturar nele, para não morrer no silêncio. Não quero remar contra a correnteza, mas fico lembrando do Apparício Silva Rillo: "A vida é como uma sanga, tem uma só direção, e mal comparando somos como uma folha ressequida, que na tal sanga de vida vai levada de roldão". Assim é que o passado me alimenta, e peço a paciência de vocês para voltar 50 anos, no tempo das minhas caçadas de todos os fins de semana, e do encontro com o meu amigo, o sempre saudoso Willy Hoff, meu Irmão, Companheiro de Rotary, e Parceiros nas horas boas e ruins. Achei a fotografia com um pequeno verso, que tanto me fez meditar.


Uma barraca, um cão e o mate,
gozando paz de afastados problemas.
Não há fotógrafo que retrate,
viver feliz dos distantes dilemas.

barraca, um cão e um mate,
Gozando paz de afastados problemas.
Não há fotógrtrate,

viver feliz dos distantes dilemas.

viver feliz dos distantes dilemas.

 viver feliz dos distantes dilem

Galo Velho

Camaquã, Rio Grande do Sul, Brazil
Fundado em 05/07/1980, assim foi escrito em sua 1ª página do 1º Livro: “O que importa neste GALPÃO é que cada um saiba ser irmão do outro. Aqui terminou o patrão e o empregado; o pobre e o rico, o branco e o preto; o burro e o inteligente; o culto e o ignorante. Aqui é a INVERNADA DA AMIZADE e tem calor humano como tem calor de fogo. Nosso Galpão nem porta têm, está sempre aberto para quem buscar um abrigo. Neste Galpão os corpos cansados da lida diária encontrarão sempre um banco para descansar, e um mate amargo para a sede matar. Aqui o frio do Minuano não encontra morada, temos toda a Sant’Anna irmanada. A cada nascer de uma madrugada há de encontrar alguém aquentando fogo, buscando nas cinzas do passado, o Galo Velho que será, quando partir para a Invernada do Esquecimento. Ninguém será esquecido, se passar nesta vida vivendo como o nosso “Galo Velho” viveu, a todos querendo, sem nunca ter o mal no coração.”